De Manha

De manhã contemplo o Sol

A saudade faz-me querer chorar

Sinto tanto aqui a tua falta

Parece faltar-me o ar pra respirar

Na multidão desenfreada ando perdido

Trago no peito amores e sonhos iludidos

Teu rosto me sorri em rostos que não conheço

Defronte a um espelho já não sei mais quem me pareço

O vento qual amigo o meu rosto a afagar

Faz a tarde tão triste e vazia neste frio outono

Em teu abraço é que spreciso me encontrar

E livrar-me deste amargo sentir de abandono

The End

0 comments about this poem Feed